Resenha: Mylo Xyloto

Bom, se você me conhece, ou leu o primeiro post do blog, ou conhecia meu outro blog, ou me segue no twitter, ou leu meu “Who the hell?”, eu acredito que você tenha prestado atenção num detalhe sobre meu gosto musical. Eu nunca deixei isso muito claro, mas eu AMO COLDPLAY. É minha banda favorita! E se você os detesta, PARE DE LER MEU BLOG ESSE POST AGORA! Prometo que terão posts que te agradarão, não serei hostil como soei na oração anterior. Mas também postarei coisas que te desagradarão enormemente. E por favor, não os critique de modo não-construtivo. Porque eu viro uma FERA quando criticam meu gosto sem ter qualquer argumento para fazê-lo. Se for criticar, seja o mais cordial e educado possível. Agradecida!
O post é MUITO longo, prepare-se!
E mais uma coisa: ouça o álbum na ordem!

1- Mylo Xyloto: minha tese de que o Coldplay sempre sabe como iniciar um álbum mais uma vez comprovada! MX tem uma áurea mágica, com seus pequenos toques de encantamento, e inicia com maestria um álbum que terá mais ou menos a mesma mágica da música.

2- Hurts Like Heaven: é um erro ouvir HLH sem ouvir MX antes. Confie em mim, é um grande erro! O começo de HLH soa incompleto sem MX. De qualquer forma, a música mantém a essência do Coldplay, mas dando uma nova cara à banda. A guitarra característica do Jonny, a voz ainda melódica de Chris Martin, porém mais apressada do que normalmente. Algo tão dançante não é o esperado deles, mas é deliciosa de ouvir e sair pulando pela casa.

3- Paradise: essa leva pra casa o prêmio de melhor clipe do álbum, e com certeza um dos melhores da carreira deles, apesar de meio doidão. Paradise, apesar do refrão repetitivo, consegue agradar, ainda que parcialmente, gregos e troianos: ela ainda tem um piano incrível, uma voz toda trabalhada, uma guitarra incrível e um baixo que, ainda que tímido, se faz notar.

4- Charlie Brown: muitos fãs definem Charlie Brown como o verdadeiro hino do álbum. E talvez ela realmente o seja. Eu gostaria que me apontassem um defeito dessa música, por menor que ele seja. Cada detalhe faz dela uma sinfonia coldplayer: o violão, a guitarra, o baixo, a voz, a letra, e o teclado (ou sintetizador, não consegui distinguir bem) ao fundo, tudo!

5- Us Against the World: chega a ser difícil falar sobre UATW sem transbordar emoção. Ela lembra um pouco o ideário de que “menos é mais”. Ela é simples, mas não se engane: são os pequenos detalhes que a tornam tão bonita. O back in vocal do Will? A guitarra, sempre no mesmo tema? O piano, que se mistura com um cravo ao final? Todas as anteriores!

6- M.M.I.X.: ainda não entendi muito o propósito dela. Se alguém souber explicar, agradeço.

7- Every Teardrop Is A Waterfall: sempre achei ETIAW uma música cativante. Eu não sei nem como explicar essa música, talvez porque muito do que eu gosto nela tenha a ver com a emoção de ter sido o primeiro single, e toda aquela expectativa que o dia 3 de junho envolveu.

8- Major Minus: apesar da voz do Chris um tantinho metalizada, essa música vale só pela guitarra ELETRIZANTE do Jonny e pelo baixo FANTÁSTICO do Guy.

9- U.F.O.: eu já imaginava que ia gostar muuuito dessa música, por causa das resenhas lidas, que diziam que ela tinha um pezinho no Parachutes. E tais resenhas não mentiram. U.F.O. conta unicamente com o Chris, seu potencial vocal de arrepiar e um violão muito bem trabalhado. Posteriormente, um toque de produção, que arremata a música, não a deixando parecer tão acústica.  U.F.O. prepara o terreno para o que eu considero a pior música do álbum.

10 – Princess of China: eu pensei seriamente em dar zero estrelas (borboletas) para essa música. O que me incomoda nela não é a Rihanna, achei que a voz dela casou MUITO bem com a do Chris. O problema é a música ser dela. Substitua mentalmente os sintetizadores por guitarras. Não melhoraria? E dê um pouco mais de movimentação pra bateria do Will, que fica a música inteira robotizada num “tu-ta-tu-tu-ta” desagradável. Se a música fosse dela, seria acima da média, como é o caso de Homecoming, do Kanye West. Mas sendo deles, acho que valeria a pena eles terem uma aula com o Maroon 5, no caso com essa música!

11- Up In Flames: música que me parece inacabada. Will ainda não se recuperou da robotização de POC e fica a música inteira no mesmo tema, ofuscando um pouco os outros instrumentos, mas menos do que ao vivo. Tirando isso, a música é muito boa.

12- A Hopeful Transmission: muito boa, e é necessário ouvi-la antes de DLIBYH!

13- Don’t Let It Break Your Heart: a grande surpresa do álbum! Nenhuma resenha falava dessa música com o potencial que ela tem! Achei-a incrível, muito bem trabalhada, e pra resumir o que eu sinto quando a ouço, digo que meu coração bate junto com o final da música!

14- Up With the Birds: do mesmo modo que o Coldplay sempre sabe como iniciar um álbum, eles sempre sabem como fechá-lo com chave de ouro. Eu esperava uma música boa, não uma tão perfeita e magnífica. Não sei nem direito como descrever a música sem deixar meu lado coldplayer transparecer em demasia! INCRÍVEL, sem mais! “And I won’t show or fear any pain. Even though all my armor might rust in the rain”

 

10 comentários sobre “Resenha: Mylo Xyloto

  1. Lu-i-za, você é foda! Eu nunca saberia como fazer resenha de um CD, sério! Muito bem colocadas as suas palavras e, depois de ler uma resenha tão bem escrita, eu TENHO que ouvir o CD completo de novo, mesmo.

    Parabéns!
    Ah! Não preciso nem dizer que minhas favoritas – até o momento – são Paradise e ETIAW, né?

    Beijos

  2. Eu não baixei o CD ainda.. Quando eu fui procurar não achei e depois acabei esquecendo. De tanto ouvir você falar estou com expectativas.. Mas uma que eu já tinha ouvido (E se não me engano comentei com você no twitter..) foi Hurts Life Heaven, e eu adorei. *-* Quero muito ouvir Us Against The World e Up With The Birds, principalmente. Seu post foi maravilhoso, Luh. Assim que eu ouvir o CD te falo o que eu achei dele. Beeeijo =*

  3. Eu concordo bastante com a sua resenha. Mas ainda tenho minhas tristezas com o álbum. Ele, em certos momentos, não tem a mesma fluidez dos discos anteriores. Parachutes e X&Y têm uma continuidade que dá sentido e corpo à obra. Em MX as músicas são aleatórias(tirando as musicas “introdutórias” como M.M.I.X e a própria Mylo Xyloto, que são desnecessárias).

    *momento fúria* QUE PORRA É POC? Concordo com você, realmente é uma música da Rihanna com o Coldplay (E É UMA BOSTA!!! ) E eu acho que a canção que mais lembra o Parachutes(era de ouro!!!) é Us Against The World. É perfeita.

    Agora, sobre sua resenha: está ótima, seu sistema de borboletas é bom. Mas eu desconsiderei a análise de Up with the birds, pelo fanatismo desenfreado. O texto está ótimo

  4. Bu Lu!
    Amei seu blog/site,you name it!Design jovem e de aspecto inteligente.

    Como eu viim para comentar sua resrnha,aqui estão meu comentários:
    1-How dare you put less than 5 yellow butterflies for Paradise?!
    2-Princess of China,que é abreviada de POC,é uma música muito legal e super recomendável…
    3-Eu não vou mais corrigir letras que sairem erradas,porque seu site/blog está meio que travado.Eu digito e não aparece nada até eu ocultar o teclado.So,resenha ficara resrnha mesmo e tudo mais ficará errado porque sem pacienciaa de ficar arrumando …
    4-Voltando ao 3,POC,por mais que faça sentido ser abreviada desse modo,me lembra de planos de governo ou uma simples onomatopéia.
    5-Em meu ponto de vista innsignificante,sim com 2 n,o album ficou 4 butterflies e meia.Tem músicas que eu adorei ,na segunda vez,clicar next.Eram músicas muito blás para minha persona,exemplo Up in Flames.Seriously,wtf?

    Bem best,espero que a leitura das minhas palavras digitadas 10min para 1h de uma segunda para terça,ou vamos conversar,terça feira 1 de Novembro,não estejam chatas.

    super Xo,luv ya 4ever sis:)

    • Liiiiiiiiiiii!
      1- ah, eu adoro Paradise, mas não é uma das minhas favoritas do CD…
      2- eu não gostei muito =/ tipo, sei lá, achei Rihanna demais pra uma banda que já fez coisas bem mais simples e calmas.
      4- HAHAHAHAHAHA, é verdade…
      5- seu ponto de vista não é insignificante, best! <3… e Up In Flames é um pouco… sem sal! Entendo o que você quer dizer!

      Obrigada pelos elogios!❤❤

  5. Pingback: Resenha: Ghost Stories | Miniature Disasters

  6. Pingback: Resenha: A Head Full of Dreams | Miniature Disasters

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s